17/11/2010

O Paraíso


Quando Deus primeiro criou o homem, deu-lhe um jardim maravilhoso, chamado o Éden, no qual ele poderia viver. Estava cheio de belas árvores e de frutos deliciosos. Mesmo no centro de jardim encontravam-se duas árvores que eram mais importantes do que quaisquer outras: a Árvore da Vida e a Árvore do Conhecimento. Qualquer pessoa que comesse os frutos da primeira teria uma vida eterna, e qualquer pessoa que comesse os frutos da segunda, compreenderia imediatamente a diferença entre o bem e o mal e começaria a agir mal e não bem.
Deus pediu ao homem, que se chamava Adão, para tomar conta do jardim e para cuidar das plantas que nele cresciam, mas fez-lhe também um aviso. Podem comer os frutos de todas as árvores excepto de uma. Não devem comer os frutos da Árvore da Sabedoria. Se o fizerem morrerão.
Mais tarde, Deus mostrou a Adão todas as plantas e criaturas que Ele criara, e pediu-lhe que desse a cada uma um nome. Depois Deus compreendeu que, apesar do jardim estar cheio de vida, Adão não tinha com quem compartilhar a sua vida. Deus fê-lo então mergulhar num sono profundo e arrancou-lhe uma costela. Dessa costela de Adão, Deus fez a mulher. Adão ficou encantado quando a viu e deu-lhe o nome de Eva.
Adão e Eva gostavam de viver no jardim. Nunca pensavam nem faziam nada que fosse errado. Mas então, pela primeira vez o mal rastejou para o mundo de Deus.
A criatura mais astuta que Deus fizera era a cobra. Um dia, estando Eva sozinha, a cobra falou-lhe: - Deus avisou-os para que não comessem frutos do jardim?
- Podemos comer tudo o que quisermos menos os frutos da Árvore da Sabedoria. Se comermos esses frutos morreremos.
- Não acredites nisso - replicou a cobra. - Podem comer que não morrem. Deus disse-lhes isso porque se comerem esses frutos ficarão como Ele e saberão tudo o que se pode saber.
Eva ficou a a pensar nisso e caminhou até junto da atraente árvore. Os frutos pareciam deliciosos e ela começou a pensar o que seria saber o que era bom e o que era mau. Depois decidiu-se a provar um desses frutos. Com um gesto rápido arrancou um desses frutos e comeu-o. Depois levou um bocado a Adão e ele também comeu.
Desde esse momento as coisas começaram a mudar nas suas vidas. Até então, por exemplo, eles não usavam qualquer peça de vestuário; mas naquela altura começaram a sentir-se embaraçados e envergonhados por estarem nus, por isso foram buscar umas folhas de figueira e uniram-nas para cobrir os seus corpos.
Nessa noite perceberam que Deus se encontrava no jardim e tentaram esconder-se Dele, ocultando-se entre as árvores. - Onde estás, Adão? - perguntou Deus.
- Escondi-me de Ti porque estou nu - respondeu Adão.
- Como é que sabias isso? Comeste os frutos da árvore proibida? - perguntou Deus.
- A mulher deu-me um bocado e eu comi - replicou Adão.
- Porque é que fizeste isso? - perguntou Deus a Eva.
- A culpa foi da serpente. Ela é que me disse que comesse.
Quando cada um deles tentava atribuir as culpas ao outro, tornou-se evidente que a felicidade do jardim estava perdida devido ao pecado que eles tinham cometido. Deus resolveu castigá-los a eles e à cobra.
- Terás de rastejar eternamente sobre o pó - disse Ele à cobra. - O homem será sempre teu inimigo.
Depois voltou-se para Eva e disse: - Farei com que o nascimento dos filhos seja doloroso para ti e daqui em diante o homem será o teu senhor.
Finalmente Deus falou a Adão: - Por causa disto o solo tornar-se á difícil de cultivar. As ervas daninhas misturar-se-ão com as plantas e terás de trabalhar duramente durante toda a vida para conseguires cultivar o suficiente para te alimentares. Por fim morrerás e o teu corpo voltará à terra, de onde veio.
Em seguida Deus expulsou Adão e Eva do jardim do paraíso, deixavam de poder comer os frutos da árvore da Vida, por isso não poderiam viver para sempre. Assim Adão perdeu a oportunidade de viver em contacto íntimo com Deus, mas Deus nunca deixou de mostrar o Seu amor às pessoas e em troca esperou que as pessoas O quisessem servir.